12.12.08

governo federal e suas idéias de girico

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, acaba de ter uma idéia de girico bem grande, mas bem grande mesmo. No começo de dezembro, ele fez uma proposta de alteração no Código Florestal que, se aprovada, vai reduzir a Reserva Legal (área de floresta que deve ser preservada dentro de cada propriedade privada) de 80% para 50% na Amazônia.

Como se não bastasse, a proposta ainda inclui anistia a quem desmatou e ocupou ilegalmente áreas de preservação permanente (APP) até julho de 2007. Um absurdo.


O governo alemão já se manifestou e enviou uma carta ao ministro-que-pelo-visto-pouco-se-importa-com-a-floresta. No documento, fica clara a imensa preocupação com a proposta. “Uma ameaça a esse ecossistema único é a atual expansão da agricultura sobre a floresta (...). Estamos muito preocupados com as atuais discussões. Por isso, gostaríamos de pedir que o senhor garanta que as mudanças propostas não minem nossos esforços conjuntos pela proteção da Amazônia”.

*

E como o governo federal adora ter idéias de girico sem sentido para a floresta e à humanidade e com sentido para a bancada ruralista, Lula acaba de aprovar um decreto onde anistia desmatadores e ocupantes irregulares de reservas legais até dezembro do ano que vem. Com isso, ele adiou em um ano o pagamento de multas por crimes ambientais ao Ibama a quem descumpriu a lei. Lula protege criminosos enquanto posa de defensor do meio ambiente na Polônia durante a CPO14. “O governo Lula agiu como sempre faz com as questões ambientais. A proteção do meio ambiente fica só no discurso porque na prática, ele sempre acaba cedendo às pressões da bancada ruralista”, diz Sérgio Leitão, diretor de campanhas do Greenpeace.

Hipocrisia lulática.
Faço do texto publicado pela organização Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, o meu grito de protesto contra um governo Lula corrupto e criminoso que protege criminosos que desmatam e ocupam ilegalmente terras públicas que pertencem a todos nós. Eis o texto: Como ficar rico na Amazônia: manual do presidente.
*

Save the planet!

3.12.08

meu caro Chico


Quando eu era criança, folheava a Barsa com uma intensão imperceptível, uma curiosidade inata a respeito da Amazônia me fascinava. Passava horas debruçada sobre aqueles livros enormes procurando fotos e alguns textos sobre a floresta que hoje inspira os passos da minha vida.

Na naquela época, a mesma força que atraía a minha curiosidade infantil a respeito da mata, também me levava a reparar com atenção em um homem mais velho, de bigode, chamado Chico Mendes e que todos comentavam ser um defensor da Amazônia e dos povos que nela habitam. De longe, eu lia e observava aquele homem que parecia ser muito honesto, firme, bom e corajoso.

O tempo passou, eu cresci. Tanta coisa aconteceu. Chico se foi e seu legado é bem maior do que todos podemos imaginar. Sua ação inspira muitas pessoas (eu uma delas) a não desistir nunca, a persistir, a acreditar na inteligência e na serenidade para lidar com os problemas e buscar soluções. Essa inspiração me acompanha. CHICO: nome de pessoas simples de almas generosas. Chico Mendes, Chico Xavier, Chico de Assis...

Anteontem conversei com a senadora Marina Silva e não pude deixar de perguntar. Mas...e o Chico? Como ele era? Por um instante ela olhou para o vazio, seu olhar se perdeu. Deu um sorriso daqueles que lembram saudade e me disse o seguinte: "ele ouvia mais do que falava. Enquanto ouvia, refletia e, de repente, aparecia com alguma ótima idéia. Era calmo, sereno e tranquilo". Uma alma que dificilmente se perturbava, apesar de todos os contras que apareciam ao seu redor. "Chico mantinha a calma sempre".

"Ele faz muita falta, mas nos alegra saber que foi graças à sua forma de pensar a reforma agrária na Amazônia que hoje temos tantas unidades de conservação. Ele se foi, mas suas idéias, frases e pensamentos são como chaves que abrem cadeados para a proteção da floresta e de seus povos", afirma Manuel Cunha, do Conselho Nacional dos Seringueiros.

É, Chico soube agir, ser pacífico, plantar boas sementes a despeito de quaisquer ameaças. Resolveu seguir em frente. Foi advertido do perigo e não se intimidou. Entrou para a história do país, para a minha história, à da Marina, de Manuel e à de tantas outras pessoas mundo afora.

Meu caro Chico: obrigada por seu exemplo. No dia 15 de dezembro serão 20 anos sem você - mas com você. Porque, de onde quer que você esteja, sua luz continua a nos inspirar na caminhada pacífica por uma Amazônia protegida e justa a todos os seus povos, à gente de sua terra.



Save the planet!

1.12.08

santa catarina e amazônia

Temos visto o que está acontecendo em Santa Catarina. É triste de ver. Dói.

Vemos nossos compatriotas sofrendo, pessoas perdendo tudo: casa, comida, carro, familiares. Algo dentro de nós nos coloca em seus lugares, nos faz imaginar como seria se estivéssemos lá, no lugar delas. E se, ao invés delas, fôssemos nós? Então, hoje, gostaria de primeiramente oferecer um canal de ajuda a quem quiser praticar a solidariedade. Você encontra esses canais logo abaixo.

O segundo fator que não posso deixar de comentar é que a dor sempre traz reflexões a bons aprendizes da vida. E isso o que vemos acontecer no Sul de nosso Brasil tem levado muitos pensamentos lá para o Norte.
A Amazônia não pára de ser desmatada. As árvores que se perdem são fundamentais no regime de chuvas de países da América Latina e das regiões sudeste e sul do país - região da castigada Santa Catarina.

Wanderley da Costa, geógrafo e professor da USP, especialista no assunto e ganhador do prêmio Jabuti 2008 com o livro Dimensões Humanas da Biosfera-Atmosfera da Amazônia, afirma que " o excesso de chuva na região Sul pode ser resultado da combinação desse fator com a alteração de temperatura dos oceanos".

Ou seja, o desmatamento da Amazônia pode, sim, ser um fator causador das chuvas que castigam tantos conterrâneos em Santa Catarina. Algo a se pensar, não?

*
COMO AJUDAR
Estão disponíveis oito contas correntes para auxílios de qualquer valor, em nome do Fundo Estadual da Defesa Civil (CNPJ 04.426.883/0001-57). São elas:
- Banco do Brasil - Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7
- Besc - Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0
- Bradesco S/A - Agência 237, Conta Corrente 09484
- Caixa Econômica Federal - Agência 1877, Operação 006, Conta Corrente 80.000-8
- Itaú - Agência 0289, Conta Corrente 69971-2
- Banco/Sicoob SC - Agência 1005, Conta Corrente 2008-7
- Sicredi - Agência 2603, Conta Corrente 3500-9
- Santander - Agência 1227, Conta Corrente 430000052
Importante:A Defesa Civil de SC alerta sobre ação de golpistas pela internet. Ela não envia mensagens eletrônicas com pedidos de auxílio.
Outros pontos de entrega em São Paulo serão montados nos seguintes locais:
- Conselho Nacional de Defesa Civil (Condec): Rua Afonso Pena, 130 - Bom retiro - 24 horas
- Cruz Vermelha Brasileira - Avenida Moreira Guimarães, 699 - 24 horas
Save the planet!

25.11.08

a amazônia não pode virar bife

Estas fotos são da amiga Fernanda Preto, uma apaixonada pela Amazônia
Amigos leitores,
A Amazônia é o principal controlador do clima do planeta. Em tempos de aquecimento global então, é jóia rara, órgão vital. Suas plantas podem ajudar na cura de doenças, ela detém a maior biodiversidade do mundo, regula os ciclos de chuva em todo o país, é terra de 20 milhões de brasileiros e daí muitas etceteras. A Amazônia influencia diretamente a vida de cada um de nós.
*
Publiquei uma reportagem no site O Eco sobre a relação que existe entre a pecuária na Amazônia e o consumo de carne no Sudeste.
- 80% das áreas desmatadas na floresta são ocupadas por pastos
- fazendas de gado na Amazônia são responsáveis pelos maiores índices de trabalho escravo no Brasil - é, a escravidão ainda não acabou
- nenhum supermercado do Brasil sabe afirmar ao consumidor se a carne vermelha comercializada vem ou não de fazendas de gado na Amazônia
- sem rastreabilidade da carne, ela pode não estar 100% saudável, visto que existem milhares de fazendas clandestinas que desmatam ilegalmente causando perdas irreparáveis em nossa biodiversidade; que escravizam pessoas; que vendem animais para abate em frigoríficos, que por sua vez revendem carne aos supermercados, que vendem o produto pra você e seus amigos, que pagam por algo sem serem informados que, no ato da compra, podem estar financiando a destruição da Amazônia.
Clique
aqui para ler a matéria.
Boas reflexões...
Save the planet!

14.11.08

o que é meio ambiente?

* artigo de Adalberto Wodianer Marcondes. O título original é "A reinvenção do meio ambiente. Ou, o que é meio ambiente!"

O que é meio ambiente? Esta pergunta tem milhares de respostas, dependendo de quem for o alvo da inquisição. Muitas instituições, empresas, entidades, ONGs e governos têm definições sobre isto. Mas algumas delas responde o que é o SEU ambiente?

O conceito de MEU AMBIENTE pode, à primeira vista, parecer egoísta, mas é uma das maneiras mais eficientes de se desencadear processos realmente efetivos de transformações importantes em comportamentos relacionados ao meio ambiente.

O MEU AMBIENTE é o espaço no qual me movimento em meu cotidiano, os lugares que freqüento profissionalmente ou por lazer, os trajetos da minha vida, os recantos onde gosto de me esconder para pensar ou simplesmente me entregar ao “dolce fa niente”.

Uma grande parte da classe média global vive privilégios ambientais. Ou seja, o SEU AMBIENTE é constituído de benefícios que não são universais e que não se sustentam em termos de uma “distribuição ambiental eqüitativa”. Um exemplo: Tomar diariamente deliciosos banhos quentes de meia hora. Definitivamente não tem água para todo mundo. Será que não? A água é um dos bens ambientais mais escassos deste século, no entanto será que os problemas estão nos banhos de meia hora, que tanto prazer dão aos indivíduos fechados em SEUS AMBIENTES. Ou será que antes dos banhos se pode fazer algo realmente importante em relação à água e que não têm tanto ou nenhum impacto na qualidade de vida ambiental do indivíduo e ainda pode ajudar a distribuir melhor o recurso água.

Dentro do raciocínio do MEU AMBIENTE, vejamos:

1 – Posso atuar como indivíduo e ajudar a coibir as lavagens de calçadas com displicentes jatos de mangueira? Claro que sim, aquela água fica melhor no chuveiro.
2 – Posso exigir que o condomínio onde moro adote procedimentos de economia de água nas áreas comuns? Claro que sim!
3 – Posso adotar medidas dentro de casa para economizar água na lavagem de roupas, de louça, nas torneiras e vasos sanitários. De novo a resposta é sim!
4 – Posso exigir do poder público leis que individualizem o consumo de água em edifícios, para que as pessoas se preocupem mais com vazamentos? Mais uma vez, sim.
5 – Posso atuar para que minha coletividade utilize mais água de reuso? Sim, de novo!
6 – Posso agir para que as águas de vasos sanitários não se misturem a águas menos contaminadas na captação de esgoto da minha casa, gerando uma boa quantidade de água de reuso para lavar carros, calçadas e outras atividades que não exigem água tratada e potável? SIM!

E muitas outras atitudes podem ser tomadas sem nenhum reflexo direto em perda de conforto. Basta que enxerguemos em cada copo d’água tratada desperdiçada é um copo d’água a menos no nosso delicioso banho quente diário.

Esta visão de MEU AMBIENTE deve se estender a todo o cotidiano. Não é uma questão relacionada apenas à água, ao lixo, à energia ou a qualquer outro item de consumo. É claro que a relação entre ambiente e consumo é estrutural para a compreensão das questões relativas à contaminação e ao sobre-uso de recursos naturais. No entanto, há uma questão comportamental em relação ao ambiente, ao MEU AMBIENTE.

É necessária uma maior reflexão dos impactos de atitudes individuais sobre os AMBIENTES de CADA UM. Ou seja, todo mundo tem o MEU AMBIENTE. Nos incomodamos quando ele é de alguma forma “poluído”, mas não fazemos uma reflexão sobre quando agimos como EU POLUIDOR.

O EU POLUIDOR toca a buzina do carro a qualquer hora do dia ou da noite sem imaginar a distância que este som agudo vai atravessar e quantos “MEUS QUERIDOS AMBIENTES” ele vai poluir. Ou seja, o EU POLUIDOR não avalia os danos ambientais que provoca. Se este eu considerar reduzir drasticamente o uso da buzina, nenhum desconforto será criado para ele e certamente uma cidade mais silenciosa será um ganho ambiental importante.

O EU TRANSGRESSOR. Porque tenho de esperar o sinal verde se não há nenhum carro a vista? Talvez porque existam pedestres atravessando mais a frente, talvez porque as autoridades de trânsito trabalhem com conceitos coletivos de “ondas verdes”, talvez porque a cidade fique mais civilizada e segura se o EU TRANSGRESSOR conseguir respeitar regras mínimas de convivência social.

Existem pessoas agradabilíssimas que não conseguem agir como parte de um coletivo quando entram em seus carros. Não aceitam limites mínimos de convivência civilizada, apesar de, quando vestidos de pedestres, serem cidadãos acima de qualquer suspeita. O mito de que a atitude individual não é transformadora está tornando mais difícil a possibilidade de construção de um mundo melhor.

Esmagamos todos os dias os sonhos de “mudar o mundo”. É possível mudar sim! O mesmo EU TRANSGRESSOR, cidadão de classe média, quando viaja à Europa ou Estados Unidos, não se comporta da mesma maneira predatória de quando está em “SEU AMBIENTE”.

O conceito MEU AMBIENTE precisa ser estendido a todos os espaços públicos ou privados. É preciso que cada um compreenda os impactos de suas atitudes individuais sobre o AMBIENTE DO OUTRO e sobre seu próprio ambiente. Esta compreensão de que atitudes simples podem começar uma transformação importante quando multiplicadas pelo poder do exemplo tem um enorme poder transformador. Em síntese, se cada qual cuidar do “SEU AMBIENTE”, aumenta muito a possibilidade de termos um MEIO AMBIENTE muito mais saudável, agradável, com distribuição eqüitativa dos insumos naturais e ambientais, com mais segurança em coisas prosaicas, como o ir e vir etc.

* o autor é jornalista, editor da Agência Envolverde, editor no Brasil do Projeto Terramérica, coordenador da EcoMídias – Associação Brasileira de Mídias Ambientais e moderador da Rede Brasileira de Jornalistas Ambientais.

Save the planet!

19.10.08

como destruir a amazônia sem sair de casa?

Por João Meirelles Filho *, do Instituto Peabiru

Claro que é culpa da inoperância dos órgãos públicos, que não conseguem controlar desmatamentos, queimadas, e nem a lenha que garante o seu pãozinho de cada dia nas padarias da região e de boa parte do Brasil. Será que a culpa é só daqueles a quem você emprestou seu voto e sua confiança, daqueles a quem você passou procuração para decidir, em seu nome, o que você consome nos supermercados? Ou será este um problema da Nação a que você e eu pertencemos, ou fingimos pertencer.

Como você se sente diante do circo anual quando os chefes da Nação esbravejam ao ver as taxas de desmatamento fora de controle e soltam decretos a torto e a direito, esperando que sejam cumpridos? Você acha que seus chefes realmente levam a sério este assunto? O que eles pensam quando servem seu George (o Bush) um churrasco para na Granja do Torto?

Até quando você vai acreditar nesta novela? Nesta conversa de que medir desmatamento e queimadas serve para alguma coisa? Só serve para dizer o que você já sabe muito bem: a coisa vai muito mal, cada vez pior. Afinal, medir desmatamento e queimada é medir conseqüência e não causa. É como medir a febre do doente; certificar-se de que ele tem mesmo febre e, ir dormir, ir fazer churrasco, nada fazer, esperando, que, se tudo der certo, um dia, o doente, se sobreviver, irá melhorar.

É assim que age o governo que você elegeu, porque, você, cidadão brasileiro não liga a mínima para as causas que provocam desmatamento e queimada. Ou melhor, não está muito interessado em saber que quem causa a destruição da Amazônia é você mesmo, ao comer o seu bifinho de cada dia, o seu churrasquinho de fim de semana, o seu pãozinho de cada dia.

O que efetivamente causa desmatamento? Na Amazônia a resposta é muito clara: a pecuária bovina extensiva, que responde por mais de 3/4 do estrago, e bem depois, muito depois, vem as outras causas, a soja (que cresce rapidamente), a retirada de madeira (que financia as novas derrubadas e pastagens), e muitas outras que, claro, juntas, são terrivelmente devastadoras. Aliás, esta é a história do Brasil. A história da pata do boi. Assim, seus tataravôs engoliram a Mata Atlântica e a Caatinga, e seus pais e você devoram o Cerrado e a Amazônia.

Só se cria boi porque há consumidor de carne. O pecuarista só existe porque ganha mais dinheiro com o boi. Se outra coisa (legal) fosse mais lucrativa, mudaria de ramo. E o pecuarista só cria boi porque há cada vez mais consumidor querendo comer carne, carne barata.

Quem consome a carne da Amazônia é tanto quem mora na região (menos de 10% da produção), como os brasileiros das outras regiões (mais de 80%). A participação das exportações ainda é pequena, inferior a 10%, mesmo se considerar os 600 mil bois vivos que despachamos, sem pagar impostos, para a desabastecida Venezuela e o violento Líbano em guerra.

Hoje, na Amazônia, é possível produzir carne muito barata porque o alto preço social e ambiental não é considerado. O pecuarista raciocina: por que se preocupar em conservar as matas, as águas, as populações tradicionais e as milenares culturas? Por que seguir a lei trabalhista, pagar impostos, legalizar as terras, se não há fiscalização?

O Brasil decidiu (e você participa desta decisão como eleitor e consumidor) transferir 1/3 de seu rebanho para a Amazônia. Na década de 1.960 eram 1 milhão de bois na região, hoje, menos de meio século depois, são 75 milhões. Mais que em toda a Europa! Há muita gente envolvida, não são apenas aqueles 21 mil médios e grandes pecuaristas (com propriedades acima de 500 hectares). Há também 400 mil pequenos pecuaristas, em sua maior parte economicamente inviáveis. Resultado: em menos de 40 anos, somente com a pecuária, destruímos mais de 70 milhões de hectares do mais complexo e desconhecido conjunto de florestas tropicais do Planeta. É pouco, você dirá, menos de 20% da região, ou, se preferir, meros 8% do território do Brasil.

No entanto, esta superfície é superior à soma das áreas do estado do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro somados. Destruídos. Para que? Para você comer picanha, picadinho e croquete mais baratos. Será que alguém realmente se beneficiou com isto? Será que os filhos dos pecuaristas realmente terão uma vida melhor porque estão na Amazônia desmatada? Dificilmente. A pecuária não consegue garantir nem a rentabilidade de uma aplicação trivial em um banco, como a poupança ou um CDB. É o pior negócio que existe, só sobrevive porque é ilegal.

De cada três bifinhos que você come, um vem da Amazônia. Você não pergunta para o seu Zé açougueiro nem para o seu Diniz do Pão de Açúcar ou para o presidente do Carrefour, ou para outro dono de supermercado de onde vem a carne. Você também não pergunta de onde vem a soja, o arroz, e tantos outros produtos. Enfim, como consumidor você sabe muito pouco sobre o que você consome, qual o seu impacto no planeta, quantos quilos de carbono, de água, de suor foram gastos para produzir o seu luxo do momento. Seu fornecedor também não se interessa por educá-lo, informá-lo, orientá-lo. Para ele responsabilidade social é comprar meia dúzia de cestinhas e docinhos de comunidades "em alto risco social" e ganhar comenda e prêmio de associações empresariais.

E se você efetivamente perguntasse ao dono do estabelecimento? E se você fosse às últimas conseqüências, abandonasse o produto na prateleira? E se, de agora em diante, você fosse 100% coerente em relação a sua responsabilidade como cidadão, cidadão comedor das Amazônias? Das Matas Atlânticas? Você deixaria de comprar a carne que vem com gosto de Amazônia queimada, devastada e escravizada? A carne que saiu do norte de Mato Grosso, do sul do Pará, do Marajó, do centro de Rondônia, do sul do Acre e do Amazonas? Você deixaria de comer a Amazônia? Você seria capaz de abandonar seu antigo fornecedor de alimentos se ele não levasse a sério a sua pergunta: de onde vem esta carne? Ou melhor, esta carne vem da Amazônia?

Se sua resposta é: tanto faz, então sugiro que desligue a televisão, vá curtir o seu quente verão de aquecimento global e tome tudo isto como conversa para boi dormir. Se, entretanto, achar que vale a pena seguir adiante, então, tome uma atitude. Pilote com mais atenção o seu carrinho de compras. A cada passo que você dá no supermercado, é você quem decide o futuro do planeta (e não o dono do reluzente estabelecimento, ou o diretor de marketing da empresa, ou o gênio da agência de propaganda que ainda insiste em usar crianças ou em desrespeitar as mulheres para vender mais).

Se você quer entregar algo da Amazônia a você mesmo, ou a seus descendentes, deixe este olhar bovino de lado, abandone seu comportamento de consumidor passivo. O mundo todo já percebeu que o Brasil está transformando a Amazônia em um imenso curral. É isto que você quer? Você acha que o mundo vai mesmo ficar de braços cruzados vendo o Brasil fazer churrasquinho da Amazônia? Pois então, vamos agir, enquanto é tempo, antes que sejamos obrigados, envergonhados, a sofrer sanções internacionais hoje inimagináveis. Vamos enviar o boi de volta para o zoológico e para o presépio, de onde jamais deveria ter saído.

* João Meirelles Filho é autor do (excelente) Livro de Ouro da Amazônia (3a edição, Ediouro, Rio de Janeiro 2.004)

Save the planet!

17.10.08

quem banca a destruição da amazônia?


A mesa redonda “Amazônia e Sustentabilidade”, que aconteceu nesta quinta-feira (16), durante o Encontro Latino-Americano de Comunicação e Sustentabilidade, foi marcada por fortes opiniões de seus participantes, frases de efeito e informações que devem levar muita gente a se questionar sobre hábitos pessoais de consumo – o principal financiador da destruição da floresta.

Participaram da mesa João Meirelles, diretor do Instituto Peabiru e autor do “Livro de Ouro da Amazônia”, da editora Ediouro; Caio Magri, assessor de políticas públicas do Instituto Ethos e um dos principais articuladores do Fórum Amazônia Sustentável e Nelson Cabral, gerente setorial de segurança, meio ambiente e saúde da Petrobras. O jornalista Adalberto Marcondes, presidente do Instituto Envolverde, foi o moderador.

Se João Meirelles bateu na tecla dos prejuízos causados pela pecuária, Caio Magri explicou a importância do Fórum Amazônia Sustentável e Nelson Cabral falou sobre ações sócio-ambientais da Petrobras, o que os três discursos tiveram em comum foi a abordagem da responsabilidade de cada cidadão, como consumidor, na destruição da maior floresta tropical do planeta.

João Meirelles vem de uma família com dez gerações de pecuaristas. É um profundo conhecedor do assunto e, como ele mesmo diz, hoje está bem é “do outro lado da cerca”. Ele afirmou que 75 milhões de hectares de floresta já sucumbiram sob as patas bovinas. “A culpa não é do boi, é do pecuarista”, faz questão de frisar. Se na Europa a média é de 3,5 cabeças de gado por hectare, na Amazônia é 0,5 – uma proporção completamente descabida.

De acordo com os participantes, a pecuária bovina gera diversos problemas, entre eles trabalho escravo, uso de enormes quantidades de água, queimadas e desmatamento. É o principal vetor de destruição da Amazônia, seguido pela indústria da soja e a extração ilegal de madeira.

Aproximadamente 20% do território da floresta já foi destruído e pesquisas apontam que se o ritmo continuar nesta velocidade, em menos de 30 anos não haverá mais Amazônia e a geração atual terá sido a última a conhecer a floresta como ela ainda é.

Hábitos de consumo
Meirelles e Magri afirmam que o maior mercado consumidor de carne bovina da Amazônia é o próprio Brasil, sendo que grande parte deste montante vai parar no prato de moradores do estado de São Paulo.

Se o consumo cresce, o desmatamento também cresce. É preciso quebrar este ciclo. Por isso, a conscientização e a adoção de hábitos de consumo mais conscientes é fundamental. “O consumidor não pergunta de onde vem a carne, os produtores não sabem responder e ninguém sabe nada. Precisamos nos posicionar e perguntar ao supermercado de onde vêm nossos produtos”.

Caio lembrou que na quarta-feira (15), durante o seminário Conexões Sustentáveis: São Paulo – Amazônia, as três maiores redes de supermercado do país, compostas por Wal-Mart, Carrefour e Grupo Pão de Açúcar, aceitaram ser pressionados pelos consumidores, pois trabalhariam para evitar a compra de produtos de origem ilegal da Amazônia. “A sustentabilidade é a última possibilidade de vida do homem neste planeta. Estamos falando de perpetuação da espécie humana. Ou dormimos o sono eterno ou começamos a pensar em como enfrentar estas questões construindo opções sustentáveis”. Nelson complementa afirmando que ter conhecimento é fundamental. “Precisamos ensinar bem e disseminar, pois o que aprendemos deve ser compartilhado por todos. Precisamos agir”.

É preciso se posicionar e fazer alguma coisa. Não daqui dez anos, como lembra Caio, mas já. “A cada três mordidas no seu bifinho, uma vem da Amazônia. Estamos entregando a floresta nas mãos dos maiores bandidos deste país porque ainda tem gente que come carne que vem de lá. Não adianta dizer ´Ah como eu amo a Amazônia!´, mas continuar comendo churrasco”, afirma João.

Como diz Marina Silva, precisamos aprender com nossos erros. A Mata Atlântica foi destruída pela pecuária e dela hoje restam apenas 7%. Permitiremos que o mesmo aconteça com a Amazônia?
* Escrevi esta matéria para o site Envolverde.
Save the planet!

16.10.08

conexões sustentáveis: sp x amazônia


Nos dias 14 e 15 de outubro o seminário "Conexões Sustentáves: São Paulo <-> Amazônia", que aconteceu na capital paulistana, abordou diversos temas relativos à Amazônia por meio de palestrantes para lá de interessantes e extremamente comprometidos com a preservação da região e com os povos da floresta.

Vi por lá Adalberto Veríssimo, do Imazon; Adriana Ramos, do ISA; Rubens Gomes, do GTA; Magnólio de Oliveira, do projeto Saúde e Alegria; Andé Muggiati e Adriana Imparato, do Greenpeace. Todos eles - e outras pessoas também - deram excelentes palestras sobre a região Amazônica.

O objetivo do seminário, organizado pelo Movimento Nossa São Paulo e pelo Fórum Amazônia Sustentável, foi colocar em pauta a responsabilidade de cada cidadão, especilmente os paulistanos, na destruição que vem ocorrendo na Amazônia. A cidade de São Paulo é hoje o maior e mais importante centro consumidor, processador e distribuidor de produtos oriundos da floresta.

Ao contrário do que muita gente pensa, foi explicado que grande parte da madeira da floresta não é exportada, mas consumida dentro do próprio país, em regiões do sul e sudeste, com destaque especial à cidade de São Paulo.

A força que pode mudar a direção da exploração incontrolada e irresponsável da floresta está, também, nas mãos dos consumidores. Como disseram por lá, hábito de consumo é uma atitude política. Vamos pedir certificação da madeira que consumimos. Vamos pedir ao açougue e ao supermercado que garantam a origem da carne vendida, assegurando de ela não veio de pastos onde antes havia floresta amazônica. Vamos atrás da soja que chega até nós e pedir a mesma informação a produtores. É nosso direito e nosso dever. Na dúvida, melhor não consumir.

Sabe por que?

Porque somos nós os financiadores indiretos mais poderosos do mundo na destruição da maior floresta do nosso planeta: se diminuirmos o consumo, diminuirá a produção e diminuirá a destruição.

POLÍTICA

O ministro Minc apareceu, apoiou a iniciativa e disse que os maiores desmatadores serão punidos, que as hidrelétricas do rio Madeira só serão construídas se estiverem 100% de acordo com relatórios ambientais e sociais (já não está, mas parece que o governo não desiste da megalomania), que o dinheiro doado pela Noruega para o Fundo Amazônia será usado com transparência e bla blá blá.
Os candidatos à prefeitura de São Paulo Kassab e Suplicy, não compareceram pessoalmente para assinar um pacto em que se comprometeriam a fiscalizar produtos vindos da Amazônia e a não consumir nada de origem ilegal ou duvidosa. Mandaram seus representantes.

Marina Silva também deu o ar de sua graça e afirmou: "se tivéssemos feito esta reunião 150 anos atrás, talvez poderíamos ter evitado a destruição da Mata Atlântica, que hoje só resta 7%. Isso nos coloca na posição que realmente podemos fazer algo pela Amazônia".

E, por fim, parabenizei pessoalmente André Baniwa, vice-prefeito eleito de São Gabriel da Cachoeira (AM). "Tenho certeza que os povos indígenas, com seus conhecimentos tradicionais, podem ajudar a criar uma relação sustentável entre a sociedade e a Amazônia".

EMPRESAS

Wal-Mart, Grupo Pão de Açucar e outras empresas se comprometeram a participar do pacto pela compra de produtos legais vindos da floresta.

*

Valeu pela quantidade de informações que recebemos.
Valeu pelas pessoas incrivelmente engajadas.
Valeu pelas iniciativas e comprometimentos. Ainda que os atuais candidatos não tenham comparecido para assinar o pacto, seus representantes o fizeram.
Ongs e sociedade civil ficarão de olho.

Save the planet!

11.10.08

o Eco-Repórter-Eco (só) Notícias nasceu!


Devido ao pedido dos leitores que o blog apresentasse constantemente notícias fresquinhas sobre meio ambiente, resolvi criar o Eco-Repórter-Eco (só) Notícias. Nele, de uma forma simples, resumida e bem informativa, você vai poder ler tudo o que está sendo falado sobre a questão ambiental . Ideal para, em pouco tempo, já ficar por dentro do que está acontecendo.

Enquanto isso, aqui no Eco-Repórter-Eco, você continuará contando com minhas sugestões, críticas e opiniões pessoais sobre tudo o que acontece em nossa pátria amada chamada Mãe Terra. Então, por aqui, as postagens continuarão com o mesmo estilo, focada em assuntos mais pontuais. E lá, você terá notícias quentinhas sempre que quiser.

Passar de um para o outro é muito fácil - é só clicar no link à direita, em ambos os blogs, onde está escrito "De cá pra lá".

Foi o jeito que encontrei para poder continuar falando o que bem entendo no Eco-Repórter-Eco ao mesmo tempo em que consigo informar de forma mais abrangente sobre o que anda acontecendo por aí.

Espero que goste.

Vou colocar uma enquete aí do lado para saber sua opinião. Se puder participar....agradeço!!! Senão, fique à vontade para deixar seu comentário na própria postagem.
Quero sempre melhorar o site - agora, os sites. Por mim, por você, pelo planeta.
Obrigada a todos!
Save the planet!

22.9.08

a sabedoria dos povos nativos americanos


Este mês, publiquei a matéria "Tradição indígena", na revista Vida Simples. Nela, falo sobre as sábias atitudes dos povos nativos-americanos que, com sua simplicidade e sabedoria, já pensavam e praticavam muitos dos conceitos que estão sendo repensados hoje em dia.

Que conceitos são esses? O que podemos aprender com eles para melhorarmos nossa relação uns com os outros, com a vida, com o planeta? Clique aqui para saber.

Esta reportagem, para mim, significa uma homenagem aos povos nativos deste e de outros tempos. E gostaria de dizer a todos eles, seguindo o exemplo que nos deram sobre a importância da gratidão: muito, mas muito obrigada.
As fotos são de Edward S. Curtis.







Save the planet!

"o consumismo que mata o planeta a cada dia"

No começo da semana achei a matéria "O consumismo que mata o planeta a cada dia", das jornalistas Giuliana Reginatto e Cecilia Nascimento no site Yahoo Brasil, e resolvi dar a dica dela aqui no Eco-Repórter-Eco. A reportagem diz:
"Para que o Planeta Terra e, dentro dele, o Brasil, continuem a ser habitáveis para as próximas gerações, é preciso abandonar valores externos, que servem a outras nações mas ferem a individualidade nacional. O principal deles, segundo especialistas em meio ambiente, é o padrão de consumismo aprendido há décadas com os EUA. Em suaves prestações, a conta dessa dependência cultural começa a ser paga: modos de vida que o País é incapaz de sustentar sem depredar os próprios recursos.
"No Brasil, o consumo está relacionado ao status, faz o sujeito se identificar com a classe média. Isso reflete a baixa auto-estima do brasileiro. É uma noção de bastardia, um complexo de povo colonizado que se arrasta desde os tempos da Metrópole portuguesa", analisa o sociólogo e antropólogo Maurício Waldman, doutor em geografia."
Continua...


Aliás, uma boa dica é fazer o teste do impacto que causamos ao planeta, no site Earth Day Footprint Quizz. Prepare-se, pois você pode ter uma surpresa.
Save the planet!

1.9.08

christian, the lion - que bacana....!


Querido leitor, querida leitora,

Não posso deixar de dividir isso com você.



Uma amiga me enviou um vídeo e eu amei. O melhor: não é ficção.

Para vê-lo, clique aqui.


Estou realmente impressionada e refletindo sobre o que o amor pode fazer por todos os seres deste planeta.
Save the planet!

26.8.08

a verdadeira face de Minc: dendê na amazonia!


Esta carta foi escrita pelas principais ONG's com atuação na Amazônia, em protesto a uma decisão descabida e absurda do pseudo Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e Reinhold Stephanes, da Agricultura.

Eles firmaram um acordo no qual a compensação ambiental em áreas degradadas na Amazônia poderá ser feita com o plantio de espécies exóticas (como, claro, o dendê). O acordo beneficia os ruralistas, o desmatamento, a posição "desenvolvimentista" e míope do governo Lula e a produção de biocombustível.

Eis a carta, na íntegra.
O Eco-Repórter-Eco concorda com a carta abaixo e a Karina Miotto também. Aliás, ela está indignada. Como muitos outros brasileiros.

*

No dois pra lá, dois prá cá, quem dança é a floresta

Contrariando seu discurso de posse, quando afirmou que o Presidente Lula não permitiria a redução da Reserva Legal na Amazônia, o Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou acordo com o Ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, para possibilitar que os produtores rurais possam fazer a recuperação da reserva legal com espécies exóticas. Isso significa na prática a redução da reserva legal de 80% para 50% na Amazônia, pois monoculturas de espécies exóticas não cumprem a função ecológica prevista no Código Florestal.

A proposta é a mesma do projeto de lei 6424/05, conhecido como Floresta Zero, de autoria do Senador Flexa Ribeiro, por permitir bacias hidrográficas sem cobertura florestal. A possibilidade de compensação de reserva legal em outra bacia hidrográfica desestimula a recuperação de áreas degradadas e mantém o cenário de desequilíbrio ambiental promovido pelos desmatamentos.

Consideramos fundamental que qualquer discussão ou negociação em torno do Código Florestal seja feita de forma transparente e com participação da sociedade civil e da comunidade científica. Esse debate precisa levar em conta os demais biomas brasileiros, igualmente importantes.

Aprimorar o Código Florestal, na lógica de otimizar o uso de áreas desmatadas e impedir novos desmatamentos é uma perspectiva positiva do ponto de vista socioambiental. Para tanto, é fundamental que as mudanças consolidem um entendimento comum de valorização da floresta.

As entidades abaixo assinadas reconhecem que é indispensável para o País promover o desenvolvimento econômico sustentável e a geração de empregos. Combinar esses fatores à conservação e recuperação dos recursos naturais, garantindo a integridade dos ecossistemas é nosso desafio.

A crise climática global e o papel dos desmatamentos na emissão de gases de efeito estufa exigem uma postura enérgica de controle dos desmatamentos e manutenção dos ativos florestais existentes no País. Recente estudo divulgado pela Embrapa sobre “Aquecimento global e a nova geografia da produção agrícola no Brasil” demonstra que o aquecimento global deve alterar profundamente a configuração da agricultura no Brasil e provocar perdas de R$ 7 bilhões.

Infelizmente, no governo Lula, vale a máxima de Schelling: “não existe absurdo que não encontre o seu porta-voz”.

Amigos da Terra – Amazônia Brasileira

Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida - Apremavi

Conservação Internacional - CI

Fórum Matogrossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento - FORMAD

Instituto Centro de Vida - ICV

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - IPAM

Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia - IMAZON

Instituto Socioambiental - ISA

Greenpeace

Grupo de Trabalho da Amazônia – GTA

Vitae Civilis

Instituto para o Desenvolvimento, Meio Ambiente e Paz

WWF Brasil
Fórum Carajás

*

Save the planet!

12.8.08

INACREDITÁVEL, SR. PRESIDENTE


Lula, que infelizmente é presidente do Brasil, sancionou uma lei estúpida que amplia o limite de 500 para 1.500 hectares de Amazônia Legal que podem ser derrubados e legalizados. Falando às claras, ele legalizou a grilagem na floresta amazônica.
Como se já não bastassem os números catastróficos do crescimento do desmatamento divulgados recentemente, ao invés de conter a destruição, Lula aprova lei que a ampliará. Ponto para arrozeiros, sojeiros, fazendeiros. Ponto para a destruição, a perda de biodiversidade, a violência e a corrupção. Para quem não sabe, entre agosto de 2007 e junho de 2008, o Deter registrou 7.823 km² de desmatamento, comparado a 3.949 km² no período de 2006 a 2007 - o que corresponde a um aumento de 98%.
Diante disso, ohhhhh como o Lula se preocupa com o meio ambiente! O Lula joga dos dois lados. É "duas caras", como diria a avó de um amigo meu. Olha para sojeiros, para o biocombustível, para quem está interessado no suposto "desenvolvimento" do Brasil no congresso e no meio empresarial, sorri e aprova leis absurdas como essa ao mesmo tempo em que gosta de posar de bom moço para ambientalistas, sociedade civil e estrangeiros, afirmando "a amazônia é nossa". Outro dia mesmo criou o Fundo Amazônia, que começará com um limite de doações de US$ 1 bilhão para o primeiro ano de vigência. O fundo será composto por doações de outros países. O valor inicial cogitado pela Noruega é de US$ 100 milhões. Lula afirma que, por uma "questão de soberania", os doadores do fundo não palpitarão sobre a utilização dos recursos. Além disso, afirmou que o Brasil vai "falar grosso" para defender sua soberania sobre o território amazônico. Ahã...
Além de palavrinhas ao vento como estas, ele ainda fica batendo o pé que tem competência para cuidar da floresta e assinando criações de reservas indígenas como a Raposa Serra do Sol mais para parecer super bacana, na linha do populismo de Getúlio Vargas, do que para efetivamente ajudar o povo indígena. Sim, porque existem milhares de indígenas passando fome, sem terra demarcada, sem escolas e com índice elevado de mortalidade infantil no Brasil.
A política desenvolvimentista da década de 70, que propagava o slogan infeliz "uma terra sem gente para uma gente sem terra", incentivou a ida de fazendeiros para a Amazônia e foi o marco inicial da destruição que começou e não parou mais. Agora, com essa lei, a destruição pode acelerar.
Desmatamento na Amazônia significa:
perda de biodiversidade
perda de plantas que poderiam trazer a cura para milhares de doenças
perda do mais importante ar condicionado deste planeta, ainda mais em tempos de aquecimento global
perda da floresta que regula ciclo de chuvas no Sul, Sudeste do Brasil e demais áreas da América do Sul
perda da beleza e de um dos maiores potenciais turísticos que o Brasil tem
perda da cultura tradicional de indígenas e comunidades ribeirinhas
perda da cultura brasileira

perda de pessoas
Lula, você é uma piada, cara.
Aliás, o Brasil é uma piada.
Save the planet!

8.8.08

vamos ajudar os oceanos?

Ei, leitores e leitoras!
Hoje recebi um e-mail super legal da Leandra Gonçalves, coordeandora da Campanha de Oceanos do Greenpeace Brasil.
Ela nos convida a participar de uma ação pela preservação de nossos oceanos.
Antes de falar mais sobre o super evento que vai acontecer no próximo sábado (16/08) em São Paulo, preciso abrir um parênteses para dizer que a Leandra passou longos dias no navio Esperanza, do Greenpeace, seguindo caçadores de baleias. Pra fazer isso é preciso ter, no mínimo, muita coragem.
Como será que é arriscar a própria integridade física em nome de um bem para o nosso planeta e para toda a humanidade? Pois é. Obrigada Leandra e toda a equipe do Greenpeace.
Agora vamos ao evento.
Como muitos sabem e como muitos não sabem, infelizmente a saúde de nossos oceanos está cada vez mais fragilizada. Só para citar alguns porquês, além da falta de governança, toneladas de combustível e lixo são despejados dia a dia em nossos mares, isso sem falar na caça indiscriminada de inúmeros animais.
Quem comparecer ao parque neste sábado vai integrar a equipe de seres humanos que são a voz para aqueles que não tem voz. Ou, como me ensinou Agnes Pilgrim, líder espiritual nativa americana, "we need to be the voice for the voiceless".
Seja um representante das águas, fale pelas baleias, represente nossos mares, dê voz aos que, em nossa sociedade, não tem voz! Vá ao parque, vista uma camisa azul, converse com os voluntários da organização, conheça pessoas com os mesmos ideais, junte forças! Ajude na conscientização, pressione as autoridades. É tão fácil, é simples....e o resultado? Bem, ele pode ser bem mais complexo e positivo do que a gente imagina.
O que? Campanha Entre Nessa Onda, do Greenpeace. Pela defesa de nossos oceanos.
Quando? Sabadão, dia 16 de agosto, às 9h da manhã
Onde? Ao lado da concha acústica do Parque Villa-Lobos, em Pinheiros, Sampa
Save the planet!

21.7.08

saiu na mídia


OESP, 20/07
"O Projeto Tietê está sob ameaça de ser interrompido. Sua segunda etapa termina neste mês e, apesar do cumprimento do cronograma e do vulto das obras - que permitiram significativo avanço nos serviços de coleta (84%) e de tratamento de esgoto (70%) -, a diretoria de Controle de Poluição Ambiental da Cetesb alerta: a meta de aumentar o número de empresas no monitoramento de efluentes despejados no Rio Tietê não foi cumprida. O não-atendimento dessa exigência do contrato de financiamento, firmado pelo governo estadual com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), poderá impedir a liberação de US$ 1 bilhão para a terceira etapa do programa. Essa fase prevê a universalização da coleta de esgoto e o combate à poluição nos afluentes do rio".

FSP, 19/7
Preço da terra avança 17% em 12 meses A forte alta das commodities está aquecendo os preços de terras brasileiras. No bimestre maio-junho, o preço médio atingiu R$ 4.287 por hectare, 17% a mais do que há um ano e 41% de aumento nos últimos 36 meses. Se o valor da terra evolui em todas as regiões do Brasil, o mesmo não ocorre em áreas da floresta amazônica, onde "os negócios estão parados e os preços caem, devido ao controle ambiental", afirma Jacqueline Dettmann Bierhals, analista de terras da AgraFNP. A região Sul foi a que teve a maior valorização média de preços em 12 meses: 28,2%. Na região Norte, onde houve a segunda maior valorização em 12 meses (24,5%), as principais altas ocorreram em áreas de pastagem de fácil acesso. Acre e Amapá lideram as altas da região.

Artigo de Washington Novaes
OESP, 18/07
A recente divulgação de mais um relatório da Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO) da ONU, assim como novos congressos sobre desertificação no Brasil, trazem de volta o tema. O relatório da FAO, com um balanço dos últimos 20 anos, diz que a degradação do solo no mundo - medida pelo declínio nas funções e na produtividade de um ecossistema - já atinge mais de 20% das terras ocupadas pela agricultura, 10% das pastagens, 30% das áreas de floresta. E afeta 1,5 bilhão de pessoas, com insegurança alimentar, perdas agrícolas, perda da biodiversidade, necessidade de migrar.

O Globo, 17/7
Minc recebe ameaças em debate na Câmara A audiência pública das Comissões de Agricultura e Meio Ambiente da Câmara ontem foi palco de um embate entre o ministro Carlos Minc e a bancada ruralista. Minc foi atacado e recebeu até ameaças por causa das ações do governo que tentam inibir o avanço do desmatamento na Amazônia. O ataque mais contundente partiu do deputado Giovanni Queiroz (PDT-PA), que chamou as operações policiais de grotescas e, em tom de ameaça, disse que o governo pode até vender os chamados bois piratas apreendidos em áreas de conservação no Pará, mas não conseguirá retirá-los do local: "O senhor pode até vender os bois, mas não vai conseguir entregá-los. Nosso povo é pacífico, mas, como diz o ditado: não cutuque a onça com vara curta que ela avança e morde a garganta".

O GLOBO, 16/07
A Floresta Amazônica continua registrando índices alarmantes de desmatamento. Em maio, uma área de 1.096 km2, o que equivale ao tamanho da cidade do Rio de Janeiro, foi devastada. Os dados constam de um relatório elaborado a partir do Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), divulgado ontem pelo Inpe. Do total desmatado nesse período, o estado de Mato Grosso é responsável pela maior fatia: 646 km2. O volume de desmatamento em maio é ligeiramente inferior ao registrado em abril, quando foram destruídos 1.123 km2 da Floresta Amazônica - 794 deles em Mato Grosso. No Pará, foi registrado um salto significativo no desmatamento: subiu de 1,3 km2 para 262 km2 devastados de abril para maio, mas isso se deve a uma redução na cobertura de nuvens sobre o Estado (89% em abril contra 59% em maio).

OESP, 16/07
Outra ação para combater a extração ilegal do palmito juçara é o projeto Educação Agroflorestal para o Manejo Sustentável nas Comunidades Tradicionais da Mata Atlântica, executado pelo Instituto de Permacultura da Mata Atlântica (Ipema). A proposta visa a coleta de frutos de juçara no entorno e no interior do Parque Estadual da Serra do Mar. O plano de manejo do projeto foi aprovado pela Fundação Florestal. As ações de produção de polpa de juçara estão sendo desenvolvidas em cinco comunidades tradicionais de Ubatuba (SP): Ubatumirim, Quilombo do Camburi, Quilombo da Fazenda, Aldeia Indígena Boa Vista e Corcovado. Este ano, a colheita de 2 mil quilos de frutos rendeu mil quilos de polpa e 1.300 quilos de sementes para replantio da região.

FSP, 16/7
Liminar concedida pela Justiça Federal suspendeu o programa de reavaliação toxicológica de agrotóxicos comercializados no país, feito pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O trabalho iria avaliar, neste ano, ingredientes que compõem 99 agrotóxicos usados em várias culturas. Muitos desses agrotóxicos são usados em excesso. Análise feita pela Anvisa em 2007 mostrou que 40% do tomate e do morango vendidos em supermercados tinham agrotóxicos acima do recomendável. A decisão, do juiz Waldemar Claudio de Carvalho, da 13ª Vara Federal do Distrito Federal, decorreu de um mandado de segurança ingressado pelo Sindag (sindicato das indústrias de defensivos agrícolas), que alega falta de transparência da Anvisa. A Procuradoria Geral da República vai recorrer.

CB, 15/7
"Enquanto a exuberância da Amazônia atrai as atenções do mundo e o desmatamento ocupa espaço nobre e permanente na mídia, avança sem maiores alaridos o processo de desertificação do semi-árido nordestino. Especialistas estimam que, se nada for feito, em 100 anos o cenário dos quatro núcleos desertificados terá se expandido para todo o semi-árido do país, que compreende terras dos nove estados do Nordeste, abrangendo a quase totalidade da região, parte de Minas Gerais e parte do Espírito Santo. O governo tem o diagnóstico (organizou um Atlas das áreas susceptíveis à desertificação), programa específico (em 2004 foi lançado o Plano de Ação Nacional de Combate à Desertificação), mas falta ação. A resposta não vem com a urgência requerida".

Artigo de Marina Silva
FSP, 14/7
"As rodadas internacionais de negociações sobre aquecimento global, salvo exceções, viraram rotina de fracassos ou quase-fracassos que, longe de causar incômodo, parecem estratégia calculada de protelação de responsabilidades. O último capítulo foi a reunião do G8. A maioria das análises sobre o evento repete o mantra: aquém das expectativas, pífio, vago. Por que problemas tão graves não suscitam urgência verdadeira e resultados palpáveis, como suscitaria uma guerra? Se os senhores do mundo ajustassem as lentes, veriam que também nesse caso há uma guerra e as vítimas são todas as formas de vida no planeta".
Save the planet!

1.7.08

pergunta bem simples


OS BRASILEIROS TEM NOÇÃO DA BELEZA E DA IMPORTÂNCIA DA AMAZÔNIA?

O QUE VOCÊ ACHA?

Save the planet!

30.6.08

AO AMIGO RIO

Estou sentada em uma casinha de madeira, toda aberta, com vista para um lindo gramado à minha direita ( o sol bate no meu rosto e aqui ficará, iluminando o dia até às 22h). À esquerda vejo meu rio amigo, o rio que tantas vezes me ouviu, que tantas vezes falou comigo.
O rio que me ajudou a identificar meu primeiro local de poder, embora eu já tivesse encontrado outros lugares e nem desconfiado de nosso potencial poderoso.
Agora suas águas não estão mais tão geladas como estavam no inverno, quando cheguei aqui. A neve derretia e corria montanha abaixo, dando água para o meu amigo, que estava todo cheio...
Agora a neve não está mais lá, ele deu uma emagrecida e está mais quentinho, agora posso nadar em você e me esbaldar em suas águas, relaxando todo o meu corpo e permitindo que você fale comigo desta outra maneira.
Agora não vou apenas te observar, falar e ouvir você, sentindo-te no meu coração. Vou deixar todo o meu corpo físico tocar o seu corpo físico também. Quero que a energia de suas águas lavem meus cabelos, minha pele e minha alma!
Ah, rio, meu grande amigo...
Como ficarei com saudade de você, do seu canto! Das pedras negras e antigas, cheias de segredos (mas dispostas a dividi-los) que estão à sua frente - ou à minha frente, antes de eu tocar em você.Sentirei falta das montanhas de orvalho que sempre vejo do outro lado de sua margem e ao redor de você, até onde consigo enxergar.
Mas sabe o que? Não esqueci daquela lição que você me ensinou, acho que foi em um dos nossos primeiros encontros, não foi? Você me fez viajar no tempo e me ensinou que posso estar com você em qualquer lugar.
Amor, lindo rio. Continue fluindo, me ensinando como viver minha vida. Continue inspirando bons caminhos a novos viajantes, alimentando peixes e passarinhos. Me alimentarei de você e darei meu alimento de volta: pitadas de amor misturadas a palavras do meu coração, com gotas de bênçãos da Mãe Terra e uma dose de inspiração, para que eu possa falar e escrever ao mundo o quanto aprendi com tudo. Com você.


Save the planet!

4.6.08

chega de hipocrisia, meu brasil!


Já falei isso aqui algumas vezes com outras palavras e não custa repetir: o governo Lula não está nem aí para a Amazônia. Dá uma olhada no post anterior e você entenderá porque. Aqui faço, portanto, um desabafo.
Depois da saída da Marina Silva, que pediu demissão, a pressão de outros países sobre o governo brasileiro começa a aparecer. Como noticiou a revista Isto É na semana do dia 28 de maio, a comunidade internacional já se manifestou, afirmando que o Brasil não toma conta da Amazônia e que a floresta, apesar de ocupar 61% do território nacional, é patrimônio da humanidade. As mídias que publicaram reportagens sobre isso estão entre as mais influentes do mundo: The New York Times, dos Estados Unidos e The Independent, da Inglaterra.
Que a floresta é necessária à humanidade, não há dúvida. Ela é o maior ar condicionado do planeta. A umidade que libera no ar ajuda a controlar a temperatura global - e, em tempos de aquecimento, ela é mais do que essencial. É vital. Além disso, a Amazônia sequestra quantidades enormes de carbono da atmosfera e regula o ciclo de chuvas do Sul e Sudeste até a América Latina. Lá, vivem 20 milhões de brasileiros. Nela pode estar a cura de muitas doenças e suas espécies de plantas e animais fazem do Brasil o país com a maior biodiversidade do mundo.


Mas e daí, não é Lula?

A comunidade internacional, que apareceu com o famoso refrão "a floresta é patrimônio global", não está interessada em defender a maior floresta do mundo porque ela em pé significa mais qualidade de vida e chance de sobrevivência em um futuro menos caótico e quente à humanidade. Me arrisco mesmo a dizer que querem colocar a mão na floresta porque ela possui riquezas que não se vêem em outros países como, por exemplo, os 21% da água doce existentes no mundo.
E no meio desta discussão toda, uma coisa sou obrigada a dizer: a impunidade no Brasil é tão grande e a piada sem graça de acabar tudo em pizza está tão enraizada em nossa cultura, que parece que o único jeito de seu governo, Lula, de fato agir, é realmente recebendo um chacoalhão dos estrangeiros que acham que saberiam cuidar da Amazônia mais do que você e do que qualquer brasileiro. Sou a favor do corte de subsídios, de exportações, do boicote ao Brasil. Pressão internacional desta forma é bem vinda e pode ser a única chave capaz de fazer o governo agir pela Amazônia de fato.
E que fique bem claro: a floresta existe em nove países e a maior parte da Amazônia é dos brasileiros, sim. E nós, como brasileiros, não podemos permitir que ninguém chegue em nossa casa para tomar conta do que é nosso. Do que é nossa responsabilidade zelar.
Vejo muitas pessoas repetindo cegamente que a floresta é do Brasil, mas que sequer tem noção do tamanho dela. Nunca visitaram e sequer pretendem visitar aquilo que dizem pertencer ao próprio país em que nasceram.
Para defender a Amazônia é preciso conhecê-la. Não tem condição financeira de voar até ela? Leia. Informe-se. PARTICIPE, como cidadão, de acões pela proteção desta floresta. Só assim teremos moral para afirmar que ela é nossa.

Competência zero
Que o governo brasileiro não tem competência para cuidar da maior floresta deste planeta, todos já sabemos. Estamos em plena Semana do Meio Ambiente e, de acordo com o sistema de Detecção em Tempo Real (Deter) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento aumentou, revelando 1.123 quilômetros quadrados de floresta amazônica destruídos no mês de abril.
Bastou a Marina Silva sair para o desmatamento aumentar e para a mídia internacional, com razão, afirmar que se você, Lula, não cuida da floresta, tem quem diga que pode cuidar. Agora vamos por partes e sejamos espertos, pois para sair por aí afirmando que "A Amazônia é nossa" você tem que saber do que está falando.
A Amazônia está em território brasileiro, é sim vital para a humanidade e você tem obrigação de zelar por esta floresta em nome de todos os habitantes deste planeta. Se "a Amazônia é nossa", faça valer suas palavras e tome atitudes concretas contra a impunidade, não assine projetos de lei que favoreçam a grilagem e o desmatamento, coloque o exército para tomar conta da Amazônia, que neste momento morre nas mãos de fazendeiros e políticos como Blairo Maggi, o governador sojeiro de Mato Grosso. Se na sua opinião afirmar que a floresta é nossa fortifica a soberania nacional, saiba de fato provar que entende de soberania nacional mostrando que seu governo cuida do que pertence ao Brasil.



Salve a Amazônia!
Save the planet!

16.5.08

agora o lula tá danado - e nossas florestas também


Esta semana, Marina Silva pediu demissão do Ministério do Meio Ambiente e abalou ainda mais a credibilidade ambiental do governo, que já não é boa. Ela se demitiu porque não suportou a pressão de outros ministérios que, em nome de uma política desenvolvimentista que promete arrasar com nossos biomas, especialmente a Amazônia, não colocam nem de longe a preservação de nossa terra na pastinha "importante".

Ao invés de Marina, o Sr. Lula nomeou Roberto Mangabeira Unger, ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, para coordenar o Plano de Amazônia Sustentável (PAS). Daí nasceu um dos motivos que teriam levado Marina à demissão: o fato de ela ter enxergado que o presidente se alinha cada vez mais à visão de governadores da Amazônia Legal, literalmente bravos defensores do aumento da produtividade de seus Estados, mesmo que isso signifique mais desmatamento. Dá uma olhadinha neste vídeo aqui para você entender melhor como políticos e fazendeiros costumam agir na Amazônia.

O substituto será Carlos Minc, antes secretário estadual de meio ambiente do Rio. Alguns ambientalistas afirmam que o presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff querem apenas um "carimbador" que viabilize as obras do PAC, apelidado pelo Greenpeace de "Plano da Aceleração da Grilagem".

O governo Lula, quando Marina ainda era ministra do Meio Ambiente, teve a maravilhosa idéia de criar o Projeto de Lei 6.424/05, conhecido por ambientalistas como 'Floresta Zero', que pretende reduzir a área de reserva legal florestal da Amazônia de 80% para 50% para viabilizar o plantio de palmáceas, eucaliptos, grãos e cana-de-açúcar para os biocombustíveis. Se com 80% o desmatamento já é uma palhaçada, imagine com esta reduçao de 30%. Outra idéia genial foi a de aumentar o número de hectares de terras que podem ser legalizadas, dando um empurrãozinho e tanto para os adeptos da grilagem.

Como disse um colega jornalista, com a saída de Marina caiu a máscara do governo e Lula está é nú. Será que agora ficou mais claro que este presidente quer voltar no tempo e retomar a política desenvolvimentista da ditadura militar que só fez é destruir áreas imensas de nossa Amazônia?

LULA, SÓ A DORÈ.

Save the planet!

7.5.08

lado positivo de tudo...




Bom gente, adoraria dar mais notícias positivas para vocês.
Como todo mundo fala que é preciso ver o lado bom de tudo, matutei até encontrar algo de positivo em cada uma destas tristes novidades aqui.
NOTÍCIA RUIM
De acordo com decreto assinado pelo presidente Lula, arrozeiros devem ficar do lado de fora da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima. E então, na segunda, motivados pelo direito legal que exercem sobre a área interna da reserva, indígenas adentraram a fazenda do arrozeiro e prefeito de Pacaraima (RR), Paulo César Quartiero. Contrariando a lei a favor da violência - algo muito normal na Amazônia -, funcionários de Quartiero atiraram para tudo que é lado e geraram um saldo de dez índios feridos.

LADO POSITIVO DE TUDO...
A Polícia Federal prendeu , por tentativa de homicídio, formação de quadrilha e posse de explosivos, o tal Quartiero, seu filho e nove funcionários. Além disso, esse ato estúpido fez o favor de divulgar ao Brasil e ao mundo o que geralmente acontece na Amazônia quando a questão envolve povos da floresta e fazendeiros fora-da-lei.
Se a situação se agravar nos próximos dias, a ONU afirma estar disposta a tomar medidas para recriminar o governo brasileiro. Tomara que a Nações Unidas pressione o Brasil de qualquer jeito, não apenas se a situação se agravar.

NOTÍCIA RUIM
O governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB), afirmou ontem que a ocupação da fazenda de Paulo César Quartiero foi um ato de terrorismo dos índios. "A invasão de ontem foi uma ação de terroristas e terrorismo é difícil conter. Se invadisse sua casa você não ficaria parado".

LADO POSITIVO DE TUDO...
Eu diria que o Sr. José de Anchieta Júnior (PSDB) falou demais. Bons e atentos ouvintes vão pensar dez vezes antes de votar novamente nele. Como diria a minha avó, o peixe morre pela boca.
NOTÍCIA RUIM
Depois de ter sido condenado a 30 anos de prisão pelo assassinato da missionária americana Dorothy Stang, o fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, conhecido como Bida, foi absolvido ontem em julgamento que durou dois dias, no Pará. A mudança do veredicto aconteceu após o pistoleiro Rayfran das Neves Sales, réu confesso, ter negado a participação de Bida como mandante, o que confirmara no primeiro julgamento. "Em vez de marcar a ação da justiça, o resultado deste julgamento é uma vitória da impunidade. É improvável que os pistoleiros tenham tomado a decisão sozinhos e, ao absolver Bida, a Justiça do Pará só confirma a regra de impunidade que impera nos rincões da Amazônia", afirma André Muggiati, da campanha da Amazônia, do Greenpeace.

LADO POSITIVO DE TUDO...
Esta decisão vergonhosa da "justiça" do Pará foi publicada em letras garrafais pela imprensa internacional. CNN; Los Angeles Times; BBC; The Associated Press; PR-Inside.com (Pressemitteilung), Austria; TREND Information, Azerbaijan; Denver Post; The Herald, UK; Reuters; Radio Netherlands, Netherlands e outras 144 etcs, além do Eco-Repórter-Eco.
Save the planet!

20.4.08

novidades no Eco-Repórter-Eco


Olás!
Acrescentei mais links bacanas ao blog, você pode identificá-los dando uma olhada na barra lateral direita. Além disso, prorroguei as duas enquetes sobre o Eco-Repórter-Eco, também à direita da tela. Gostaria de saber como você sente o blog, como ele te ajuda, o que posso melhorar. Conto com sua participação (é só um minutinho!).
É isso...!
Bom começo de semana.
Save the planet!

o que andam falando do nosso planeta

Se você não vai até a Amazônia..
Pode ser que a Amazônia vá até você. O Greenpeace iniciou uma campanha itinerante na Europa e colocou, no dia 14 de abril, em frente à embaixada brasileira em Berlim, na Alemanha, duas toras de tauari trabalhadas pelo artista plástico Siron Franco. Em 2007, a árvore foi derrubada ilegalmente na Amazônia e, na ocasião, a tora queimada foi exposta em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasilia durante os meses de novembro e dezembro. Segundo o site da organização, o objetivo é "mostrar o drama do desmatamento que ainda ameaça a maior floresta tropical do mundo".
Tomara que isso toque o coração dos europeus assim como tocou o dos brasileiros. Na ocasião, Humberto, um dos visitantes da exposição de Brasília, escreveu um poema para a tora de tauari.

“La crisis carnívora”
Este filme espanhol, que será lançado em 16 de maio na Europa, é um longa-metragem que promete, no mínimo, algumas risadas. Liderados por uma hiena para promover a paz entre as espécies, animais da floresta como leão, tigre, urubu e jacaré topam parar de comer carne, mesmo que o instinto carnívoro esteja bem à flor da pele. Você pode ver o trailer no site oficial.

E o primeiro lugar vai para....
China! Pois é, graças à intensa produção de carvão, o maior poluidor do mundo não é mais os Estados Unidos, mas a China. De acordo com o National Post, pesquisadores da Universidade da Califórnia chegaram a esta conclusão por meio de um estudo baseado em dados coletados de 30 escritórios regionais chineses de proteção ambiental.

Falando nisso....
O instituto ambiental americano Blacksmith lançou a lista das dez localidades mais poluídas do mundo. Vaias para China, Índia e Rússia que, sozinhas, são donas dos 6 primeiros lugares.

Falando nisso parte 2
Como está para deixar o posto de presidente dos Estados Unidos, Bush resolver apostar no marketing ambiental dizendo que vai diminuir as emissões de gases poluentes até 2025. Ao mesmo tempo, proíbe o Congresso de aprovar qualquer medida que coloque em risco a atual frágil economia do país.

Notícia boa porque ninguém é de ferro
De acordo com a Australian National University, a preocupação número um dos australianos é com o meio ambiente.

Dia da Terra
Os consumidores que se cuidem. Quando o Dia da Terra, comemorado em 22 de abril, se aproxima, milhões de propagandas tentam vender produtos eco-amigos. Desde quando consumismo significa honrar o nosso planeta?
Save the planet!

15.4.08

desde quando tortura de animais é arte?


Se no mundo existem aqueles que têm consciência ambiental e lutam por um planeta melhor, também existem os egocêntricos sem noção que querem aparecer às custas de outras vidas. Me refiro ao entre muitas, mas muitas aspas mesmo, artista plástico Guillermo Vargas Habacuc.
Em agosto do ano passado, durante uma exposição em Manágua, na Nicarágua, este homem pegou um cão de rua, amarrou-o a uma corda e deixou-o morrer lentamente de fome e sede. Colocou o cão lá, para todo mundo ver. Nossa, quanta criatividade, hein meu caro? Eu não sabia que torturar animais e levá-los à morte pudesse ser considerado uma forma de arte. Meus pêsames para você, para quem aprovou essa “idéia” extra-ordinária e para os visitantes que viram de perto um cão agonizando graças aos caprichos de uma pessoa que se intitula artista.
Na época, ele se justificou dizendo “o que me importa é a hipocrisia das pessoas. Um animal assim vira o centro das atenções quando está em um local onde as pessoas querem ver arte, mas ninguém ligaria se ele estivesse passando fome nas ruas”. Guillermo disse isso sem perceber o sarcasmo, a frivolidade e a hipocrisia de sua própria frase.
Em protesto ao que este homem fez, uma petição na internet tem circulado afim de boicotar sua presença na Bienal Centroamericana Honduras 2008. Acredite se quiser, ele foi escolhido para representar a Costa Rica. Será que vai levar outro animal para ser torturado?
Para participar da petição, clique aqui.
Save the planet!