7.5.14

Uma palavrinha de John Muir



#johnmuir, naturalista e escritor escocês responsável pela criação de diversos parques nacionais nos Estados Unidos e eu, no Yosemite National Park, um lugar que sempre o inspirou muito e que ele bravamente e suavemente, ajudou a proteger. Um dia ele disse algo que me tocou muito e que me inspira os passos no caminho da reconexão: "saí para uma simples caminhada para ver o pôr do sol quando me dei conta que, ao caminhar para fora, na verdade eu estava indo para dentro".

Save the planet!

6.5.14

estamos com medo de que?


Queremos um mundo melhor. Vejo cada vez mais gente envolvida e empenhada nisso. No entanto, ao mesmo tempo em que isso acontece, vejo a enorme dificuldade que é surgir um casal que esteja REALMENTE afim de seguir junto e crescer, abrir o coração pra amar e ser amado de veras. Vejo, também, muitos de nós em relacionamentos infelizes, ralando pra seguir casado, namorando, quando o coração já não está mais ali. Ei, galera do bem, qual é o nosso medo? Por que isso tem acontecido? Que contradição é essa? Isso é contradição?
Foto dos velhinhos aí pra nos inspirar. #maisamorporfavor

Save the planet!

17.4.14

A cura da jiboia



Eu caminhava pela floresta da Tijuca, em um daqueles dias onde a única coisa capaz de acalmar meu coração é mesmo o seio da Terra. E para ele eu fui. Pés no chão, caminhar lento, pensamentos, insights, lágrimas nos olhos. Chego aos pés do Jequitibá de 300 anos e faço uma oração. Deito no chão. As folhas estavam por todo o meu corpo. Na volta, cheia de paz e gratidão, paro em um pequeno riacho. Coloco a bolsa de um lado, a canga do outro e começo a me lavar. De repente, sinto a vibração do medo se aproximar de mim pelas costas. "Que estranho isso". Me viro, pego a canga e, quando faço a circunferência completa, a vejo. Jiboia, minha mestra! Uns dois metros de comprimento, imóvel, com a cabeça atenta e levantada, a dois palmos da minha bolsa. Caminho para longe e fico observando. Ela permaneceu imóvel por um tempo e depois foi embora. Parece que só veio pra me lembrar do poder da transmutação e da cura - e para fechar o meu processo. Neste dia transmutei muita coisa. Mergulhei na lição da abundância depois de enxergar os meus medos. Espiritualmente falando, foi exatamente isso o que aconteceu. Intuitivamente, ficou a lição: quando você estiver em paz em meio à natureza, se de repente sentir medo, fique atento. No meu caso com a irmã Jiboia, tenho certeza que o medo que senti não foi o meu, mas veio dela. Eu nem a tinha visto, como poderia temê-la?
Em paz, irmã. E gratidão por me ajudar a transmutar.

Save the planet!

21.9.12

O que as árvores me ensinam





Na Amazônia cresci muito profissionalmente e, literalmente no meio da floresta, conheci uma pessoa que me ensinou que seria possível voltar a subir em árvores. Depois de tantos anos da vida sem esta conexão com o Povo-em-Pé (modo com são chamadas pelos povos nativos americanos), me bateu de novo aquele gostinho bom de infância, quando a família toda subia no famoso pé de manga do sítio da querida tia Regina, na cidade Santa Cruz do Rio Pardo, interior de São Paulo. 
No ano seguinte, seguindo a mesma onda intuitiva, fui parar nos Estados Unidos, desta vez para aprender inglês. Lá me deparei com aulas de tree climbing, onde escalar árvores com cadeirinha e mosquetão de um jeito que não agride a árvore é uma atividade que tem se tornado cada vez mais comum entre os americanos. Fiz o curso.
Um dia resolvi me arriscar em uma árvore um pouco mais alta do que as que eu estava acostumada a subir. Aquela redwood me chamou. Era tão alta que meus cálculos a colocavam lado a lado com um prédio de uns 20 andares. Estava na companhia do meu instrutor, que subiria junto comigo. 
Estávamos na Califórnia, dentro de uma propriedade particular. Com o consentimento do dono do terreno que abrigava aquela velha senhora, passamos a subi-la. Eu estava tão focada na técnica que me esqueci de apreciar a literal grandeza daquele momento. Sobe, sobe, vê se está tudo bem com a corda, os equipamentos, sobe mais um pouco. Estava de frente para o tronco que, enorme, ocupava toda a minha visão dianteira. 
De repente, ouço um barulho...começou fraco e foi ficando mais alto. Zuuuuuummmmmmmmmmmm....era o vento que se aproximava. De copa em copa, até chegar na redwood que me segurava. Ele chegou com tudo. Foi quando me dei conta da altura em que estava. Quando olhei para baixo e para os lados. O carro branco, reduzido a um polegar, não deixava dúvidas do quanto eu havia levado a sério aquela história de subir em uma redwood. Fiquei nervosa, "meu Deus!". Meu instrutor quis falar comigo, me acalmar. "Olha, vou prender você em mim, fica tranquila, estamos seguros", mas eu não quis ouvi-lo. Não foi dele que eu precisei naquele momento. Foi dela. "Espera um pouco", falei. Abracei o galho gigante que estava ao meu lado. Fechei os olhos. E balançamos, balançamos...
Aquele momento ficou na minha cabeça por uma semana inteira. Decidi voltar ao lugar e me dar uma segunda chance de escalá-la. Desta vez teria que subir sozinha, pois ele estaria ocupado, em outra redwood, dando aula a outra pessoa. Ok, eu subiria mesmo assim. Lembrei-me da saga de Julia Butterfly Hill, a mulher que morou por mais de 2 anos em uma sequóia para salvá-la e, imitando-a, também chamei a "minha redwood" de Luna. Minha Luna.
Olhei pra ela e disse "ok, vamos tentar de novo". 
Desta vez, subi devagar. Respirando com calma, olhando para os lados, para baixo. Passei a notar que, aos poucos, o carro branco diminuía de tamanho.Em dado momento eu lá, sozinha, sinto vontade de parar. A jornalista que vos fala ganhou daquela árvore, naquela tarde de sábado, uma das lições mais lindas que já recebeu na vida. Naquela época eu passava por uma situação complicada, onde a vida pedia de mim que eu tivesse muita fé pra seguir adiante.
Em dado momento, senti que era preciso parar e me conectar com ela em um nível mais profundo. Coloquei minhas duas mãos no tronco, encostei minha cabeça nele e em pouco tempo entrei em estado de meditação. Foi aí que recebi uma lição sobre a confiança. "Como pode às vezes você não confiar em si mesma quando, neste momento, sua vida está em suas próprias mãos? Confie em si mesma". Ela tinha total razão. Não acabou aí. "Confie no cosmos, em Deus, na energia que rege todas as coisas. Está tudo no lugar". Por fim..."confie em mim. Eu já passei por muitas tempestades...e estou aqui, em pé". Naquele momento de silêncio no qual com aquele ser tive um diálogo profundo, entendi que eu poderia fazer muito mais coisas do que imaginava...e que, para tudo o que eu quisesse fazer, contaria com o misterioso apoio daquela lembrança...

**


Um dia recebo um convite inusitado - passar um fim de semana dentro de uma ex-ecovila, futura RPPN, às margens de uma rodovia no município de Presidente Figueiredo, há poucas horas de Manaus, capital do Amazonas. Descobri naquele lugar um refúgio raro não só de espécies, sons e cheiros, mas de silêncio, daqueles que muitas vezes desejamos tanto enquanto confinados no vai-e-vem barulhento de grandes cidades. Em suma, passei a frequentar aquele lugar, uma fazenda com uma enorme área de floresta preservada. Dentro dela há uma trilha de mais ou menos 3 km. Eu já tinha feito esta trilha algumas vezes.
De novo, eu passava por um momento difícil, onde eu teria que me desapegar de uma pessoa muito querida. Senti que, naquele dia, eu teria que caminhar sozinha. Eu já conhecia o caminho. Fui.
Andar sozinha na floresta, por mais que haja uma trilha, é algo extremamente mágico e desafiador. Os povos nativos dizem que a natureza nos reconhece quando somos educados e respeitosos. Então antes de partir para qualquer caminhada, eu sempre agradeço, peço licença e proteção. 
Pois bem. Naquele fim de semana, quando estava quase chegando no igarapé, passo em frente a uma árvore muito alta - um lindo angelim. Foi como se meus pés tivessem travado no chão. Empaquei. Havia uma energia que simplesmente me impedia de continuar andando. Olhei para o lado, vi aquela árvore e entendi o chamado. Abri meus braços pra ela e disse: "ok, tô aqui, pode falar".  De olhos abertos, vi toda paisagem a minha volta se transformar em ondas de energia. Tudo ondulado, se movimentando. Daí, senti que precisava fechar os olhos e fechei. Comecei a ver árvores tombando e nascendo, tombando e nascendo...a imagem seguinte que me veio foi a da floresta vista do alto. Quando você sobrevoa a Amazônia ela parece um tapete verde gigante. Foi aí que eu ouvi: "Karina, a floresta que você vê aqui não esteve sempre assim. Para que ela possa existir continuamente, árvores têm que tombar para que outras possam nascer. Porque a transformação constante é necessária
à manutenção de toda vida. A transformação constante é necessária
à manutenção de toda vida. Aceite a transformação".
Ao sentir isso profundamente - uma verdade tão óbvia e tão importante de ser lembrada naquele exato momento - comecei a chorar, agradeci e terminei minha caminhada.
Sempre me lembro destas lições. E sinto-me grata em poder compartilhá-la com você.
A natureza fala...é só ter ouvidos para ouvir.
Feliz Dia das Árvores!

Save the planet!